EVELINE SIN / SINHÁ

A artista urbana e poeta Sinhá, nasceu em Natal – Rio Grande do Norte no ano de 1982. Em 2007 mudou-se para São Paulo, onde, desde então, dedica-se com paixão a pintura nas ruas. Seus trabalhos permeiam o universo feminino, cheio de força e sentimento. Em 2010, Sinhá desenvolveu um projeto grande e importante dentro de sua trajetória, o “Retratos Coletivo”, no qual pintou um grande mural na lateral de um dos prédios do Conjunto Habitacional Cingapura Piqueri, na Marginal Tietê. Dentro da literatura, após participar de algumas coletâneas, Sinhá lançou seu primeiro livro de poesia intitulado: “Devolva Meu Lado De Dentro, em abril de 2012.
O texto a seguir, “Sutis Madonas”, escrito pelo jornalista e mestre em Artes Visuais, Oscar D’Ambrosio, descostura o trabalho da artista.

Sutis Madonas

A linguagem visual de Eveline Gomes, conhecida como Sinhá no universo do
graffiti, tem como característica fundamental uma maneira, ao mesmo tempo, crítica,
bela e bem-humorada de ver a vida e de se apropriar do espaço da rua como uma
oportunidade de expressar um sentir.
Ela coloca, com estilo diferenciado pelo gesto, suas mulheres nas mais variadas
situações, com cabelos compridos que se fundem ao corpo numa poesia visual plena de
sensualidade e garbo, mesmo quando em posição fetal ou com os joelhos sutilmente
dobrados.
A figura poderosa torna o texto desnecessário. Ela ocupa as paredes e as ruas,
numa conversa direta com o público que dispensa intermediários ou explicações e gera
reflexão porque estimula o pensar. A beleza está associada a um oferecer ao observador
um novo olhar do espaço.
As mulheres de Sinhá têm a delicadeza e o mistério de uma Madona
renascentista sem perder a irreverência. Essa mescla as leva a funcionar como ícones
que seduzem sem perder a fragilidade. Comportam as contradições de uma sociedade que se distingue por promissoras possibilidades e violências jamais imaginadas.

Oscar D’Ambrosio, jornalista e mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes
da Unesp, integra a Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA- Seção Brasil).

Prints

Menu