A CULTURA DA COLEÇÃO

Colecionar é uma tradição humana milenar. Desde criança queremos acumular inúmeros exemplares daquilo que gostamos. Assim, alguns deixam essa mania quando se tornam adultos, e outros acabam mergulhando mais fundo no mundo das coleções.

Colecionar arte parece uma coisa distante da vida comum. Ou por valores, ou por prioridades, ou mesmo por não se saber quais são os critérios para se colecionar tal artigo. Porém, nos dias de hoje, a arte se tornou mais democrática do que era antigamente, e se revela muito mais fácil de ser praticável.

ARTE ACESSÍVEL EXISTE

Arte sempre foi vista como artigo de luxo, devido ao alto valor. Mas o que facilitou com o tempo foi a questão de gravuras e prints, que poucos conhecem, mas que acabam tornando a arte mais acessível do que se imagina. Por exemplo, esses formatos transformam uma grande obra de um artista em um modelo certificado e assinado pelo mesmo, mas com valor menor, tornando possível a aquisição de uma grande obra.

Entrevistamos três dos nossos maiores colecionadores para poder esclarecer alguns critérios sobre o assunto. Três pontos de vista diferentes mas que se encontram no desejo de colecionar algo que os faça se sentir bem. Valéria Pagetti, Paulo Silva e Marco Barros são grandes amigos da família A7MA e apaixonados por arte. Acima de tudo, são pessoas comuns, que deixaram de colecionar figurinhas e passaram a colecionar obras que os inspiram de alguma forma.

Quando você começou a colecionar?

Valéria Pagetti: Assim que comecei a frequentar a A7MA e adquirir obras passei frequentar as exposições acabei fazendo uma boa coleção.
Paulo Silva: Especificamente obras de Arte como Telas, Gravuras, Prints e etc comecei de forma regular desde 2014. Contudo, antes disso já na década de 90 colecionava revistas como a FIZ e artigos relacionados ao Graffiti e Cultura Hip Hop.
Marco Barros: Comecei a colecionar em 2005. Iniciei porque acreditava que era uma boa ideia a questão da arte em si e ter obras de artistas inovadores.

Sua intenção como colecionador iniciou por gosto pessoal ou por investimento financeiro?

Valéria Pagetti: Por gosto pessoal. Muito interesse na Arte Urbana.
Paulo Silva: Não penso na minha coleção como algo comercial, obviamente entendo a questão de valorização envolvida em cada obra, porém não vejo como algo principal. O meu ponto é o Gosto pessoal por cada peça assim como a reflexão que ela proporciona.
Marco Barros: Meu intuito em construir essa colação era que ela fosse um corpo representativo dessas diversas linguagens da arte urbana. Por último, sempre acreditei que a boa arte teria uma valorização financeira também.

O que compõem a sua coleção?

Valéria Pagetti: A maioria são pinturas, não tenho gravuras.
Paulo Silva: Tenho um pouco de tudo, esculturas, pinturas, gravuras e prints em geral assinado e numerado pelos artistas.
Marco Barros: Minha coleção é basicamente composta de pinturas, desenhos originais e gravuras. Porém, eventualmente compro alguma obra em suporte diferente.

Qual foi sua primeira compra?

Valéria Pagetti: Foi em 2012 e escolhi uma obra do artista Enivo. Me apaixonei também por uma arte do Bieto, que acabei comprando em outra ocasião.
Paulo Silva: Não me recordo ao certo da primeira arte (considerando pintura, gravura, print e etc). Mas, minhas primeiras pinturas de artistas do Graffiti foram do Cris Rodrigues e do Quinho.
Marco Barros: A primeira obra, comprei em 2005 que foi uma calcinha pintada pelo artista Daniel Boleta. Vale lembrar que dos artistas da A7MA as primeiras duas obras que comprei foram do artista Enivo em 2008.

Qual seu critério na escolha dos artistas?

Valéria Pagetti: Conhecer os artistas, saber a história deles. Também confio muito no trabalho sério da galeria.
Paulo Silva: Estético, porque entendo que você precisa gostar do que está vendo, mas compreendo que esse é um ponto muito subjetivo e pessoal para cada um. Reflexão, uma obra não necessariamente precisa ter uma mensagem direta associada a ela. Porém, quando existe essa camada eu acho interessante (e não necessariamente precisa ser polêmico). Identificação, preferivelmente gosto de adquirir trabalho de artistas com as quais me identifico mesmo que não os conheça pessoalmente, melhor ainda quando os conheço.
Marco Barros: Para mim na verdade a arte deles é que me escolhe. Procuro abrir minha percepção e sensibilidade para os trabalhos e quando é possível concluo a compra das obras que falam comigo.

Como conheceu a Galeria A7MA ?

Valéria Pagetti Através de um amigo em comum. Fui uma vez e passei a frequentar as exposições.
Paulo Silva: Primeiramente pela internet, mas depois tive o prazer de conhecer a galeria e a rapaziada quando me envolvi com o projeto da Favela Galeria.
Marco Barros: Conheci a A7MA através do meu amigo e artista Enivo. Assim, a galeria me deu a oportunidade de prestigiar uma galeria local e importante desses amigos artistas, que sempre me impressionaram.

O que mais impressionou na A7MA?

Valéria Pagetti: A diversidade dos artistas e suas técnicas. A recepção também é incrível e poder falar com os artistas e saber um pouco da história deles.
Paulo Silva: A experiência com as exposições na A7MA sempre foram muito boas, desde a organização, como a criatividade em trazer coisas novas como por exemplo vídeos, intervenções no ambiente, debates e música.
Marco Barros: As exposições, as obras, receptividade e conhecimento sempre me impressionaram muito na A7MA.

Como percebe o trabalho da galeria?

Valéria Pagetti: Sempre foram muito sérios e de confiança. Obras certificadas e serviço profissional.
Paulo Silva: Não conheço o serviço de instalação propriamente dito, porém no que diz respeito as obras sempre achei
tudo muito profissional.
Marco Barros: O trabalho da galeria vem cada vez mais se profissionalizando e mostrando melhorias no atendimento devido as necessidade do colecionador.

Qual sua visão para o futuro de colecionadores?

Paulo Barros: Ações como a criação de galerias, redes sociais e projetos sociais tem contribuído para uma melhor compreensão e valorização da arte. Quando o caso não é falta de conhecimento e/ou cultural esbarra muitas vezes na questão econômica. Como resultado, o advento das Gravuras e Prints tem ajudado no sentido de flexibilizar o acesso, porém é interessante que as galerias/pessoas que comercializam arte pensem em maneiras originais de facilitar o acesso as obras que tenham valores mais elevados.
Marco Barros: O futuro do colecionador é “AGORA”. Os colecionadores tem uma enorme oportunidade nesse momento na A7MA de comprar uma arte de ponta por valores acessíveis de artistas que fizeram e farão história.

NA A7MA QUEREMOS QUE TODOS POSSAM TRAZER A ARTE PARA SUAS VIDAS

A cultura de Gravuras e Prints certificados, numerados e assinados pelos artistas tem muito valor e lugar de destaque, já que contamos com dois mestres nessa arte que são Cristiano Kana e Alexandre Enokawa. Esses profissionais já trabalharam com grandes nomes e seus trabalhos de serigrafia desenvolvidos em seus ateliês estiveram presentes em algumas das melhores galerias de São Paulo, que possibilitou o acesso do jovem colecionador a ter contato com o artista que ele tem identificação.

O QUE FALTA PARA VOCÊ COMEÇAR SUA COLEÇÃO?

Definitivamente, não há mais desculpas para não começar a investir nas artes que de alguma forma se comunicam com alguma parte dentro de nós. Com os últimos acontecimentos no mundo e o isolamento devido a pandemia do Covid-19, muitas das coisas que acreditávamos ter valor, mostrou não ter. Assim, podemos dar novas prioridades em nossas vidas, como família, amigos e bem estar acima de tudo. Dessa forma, como a arte trás bem estar e qualidade de vida para nós, talvez seja o melhor momento de trazermos para o nosso cotidiano essas peças que transformam nossa mente e nossa percepção do mundo.

INCENTIVO A7MA PARA NOVOS COLECIONADORES

Enfim, para quem acompanha a galeria nas redes sociais, em breve teremos uma surpresa de nossos artistas. Faremos uma ação para incentivar essa cultura e possibilitar a aquisição de obras de grandes artistas com um preço acessível. Fique ligado no nosso Instagram se você quer fazer parte dessa cultura que não para de crescer.

CONHEÇA NOSSOS PRINTS


https://a7ma.art.br/prints/











Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Menu